Minha preocupação… ser cristão!

Sou cristão, mas há coisas estranhas ao Evangelho nos arraiais evangélicos.
Tenho visto pessoas que se dizem cristãs, mas as práticas da vida denunciam que não entendem nada do significado de ser um seguidor de Cristo.
Vejo pessoas cantando ou pregando nas igrejas, mas o coração e a prática do dia-a-dia mostram claramente que o louvor e a palavra pregada por elas NÃO passa do teto da igreja, não sobem mesmo à presença de Deus e não produz o efeito necessário nas vidas dos que os ouvem. E por que? Porque cantam com os lábios, pregam da boca para fora, mas o coração está cheio de rapina, como a falta de perdão, ódio e aversão ao irmão. Há aquele que quer se justificar dizendo que tem o direito de não ter comunhão com o irmão, de se sentir magoado porque foi muito ferido  por ele.
Fico pensando no significado do que Cristo falou a respeito de AMAR os inimigos, bendizer os que nos maldizem, fazer bem aos que nos odeiam e ORAR pelos que nos maltratam e perseguem (Mt 5.44).
Fico pensando também no significado de oferecer a outra face, caso seja ferido numa, de andar duas milhas, caso alguém obrigue a andar uma, de dar a capa, caso alguém queira a túnica, são coisas que fazem parte da vida cristã, que realmente nos identificam como DISCÍPULO de Jesus Cristo.
Ser cristão não é somente está arrolado no rol de membros de uma igreja.
Ser cristão é seguir a Cristo em todos os sentidos da vida. É por em prática os ensinos dEle, é viver o evangelho tal como ele é. E o evangelho não é filosofia de vida, é a própria vida que produz vida, e vida abudante. Não é confissão da boca para fora, mas vida na prática que se evidencia nos relacionamentos diários uns com os outros, não importando aquilo que recebemos como ações más contra a nossa vida. Se não houver isso na nossa vida, não podemos nos considerar cristãos.
Louvar, cantar, testemunhar com o coração cheio de mágoa e rancor por alguém, mesmo que não seja irmão é algo que nos torna tão pagãos como qualquer um que nunca ouviu falar de Cristo.
Nos isolar de alguém que pecou, nos coloca ao lado daquela multidão que queria apedrejar a mulher que foi pega em adultério. Repreender ao irmão pecador é um gesto de amor, e orar por ele e procurar recuperá-lo é uma atitude de um verdadeiro filho de Deus. Nos identifica com Cristo, que veio não para os sãos, mas para os doentes e pecadores. Cristo trabalhou no sentido de recuperar vidas. As vidas mais desprezadas e desonradas da sociedade foram recuperadas por Ele.
O apóstolo João recomenda-nos não pecarmos, mas se acontecer (como acidente no trajeto de nossa vida cristã)  temos um ADVOGADO junto ao PAI, JESUS CRISTO, o JUSTO, que é a propiciação pelos nossos pecados.  E João escreveu para cristãos e não para pagãos.
Há pessoas que deixam de ser amigas de outras porque ficaram sabendo de algum pecado delas e que agora não pode ter comunhão  e amizade com pecadores. Lógico que não podemos apoiar o pecado de quem quer que seja, mas o ensino de Cristo a esse respeito é totalmente diferente. Devemos procurar restaurar o pecador, mostrar-lhe o caminho do arrependimento, do perdão e da reconciliação com Deus e o próximo. Não o isolamento, o afastamento, como se a pessoa tivesse uma doença contagiosa.
O amor de Cristo em nossas vidas precisa ser real, verdadeiro, e não teórico. Deve ser traduzido na prática do dia-a-dia de nossas vidas. Alguém dizer: “eu estou bem com Deus, o resto que se dane!”, parece algo macabro e estranho, quando comparado ao evangelho ensinado por Jesus Cristo e seus apóstolos. Ninguém pode estar bem desejando mal ao próximo, por mais pecador que seja esse próximo!
Viver o evangelho é se preocupar com o bem-estar espiritual do meu próximo, é querer o melhor para a vida dele, não importando o mal que ele tenha praticado, que o Senhor lhe conceda graça para se arrepender! Quanto a mim, vou amá-lo, orar por ele e ajudá-lo, caso ele aceite e queira a minha ajuda, se não, ficarei na oração e desejando o melhor para ele no meu coração e não que ele SE DANE! Deus me livre disso!
É assim que penso.

Advertisements

About Auriberto Feitosa

Ministro do Evangelho de Jesus Cristo, ou seja, simplesmente um servo.
This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

One Response to Minha preocupação… ser cristão!

  1. Muito bom o texto e muitas das vezes a atitude misericordiosa é o que tem faltado nas igrejas. Tem vezes que fico impressionado como que as más notícias sobre a queda de um irmão espalha-se com grande facilidade no meio cristão, como se houvesse uma grande felicidade em algumas pessoas por verem o outro na lama ainda que demonstrem falsamente ter pena.

    Quantas vezes não dizemos verbalmente “eu estou bem com Deus e o resto que se dane” mas cabamos pensando desta maneira? Mas a verdade é que alguém só pode estar bem com Deus se for debaixo da sua graça ou do contrário a nossa condição não se difere dos demais que praticam aqueles pecados que tanto nos assustam. Aliás, estes ainda têm mais oportundiades de compreenderem ammensagem da graça do que aqueles que caem no engano da autojustificação e se tornam carrascos de seus irmãos.

    A paz!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s